Assassin’s Creed: Mirage vale a pena?

Originalmente, Assassin’s Creed: Mirage originou-se como uma DLC de Assassin’s Creed: Valhalla. No entanto, devido à mecânica extensa e, para muitos, enfadonha do jogo, que Mirage deveria servir como conteúdo adicional, a DLC transformou-se em um jogo AAA com identidade própria.

1 – Mecânica de Assassin’s Creed: Mirage:

Apesar de os trailers nos anúncios apresentarem a premissa de que a mecânica de Assassin’s Creed: Mirage abandonaria o “RPG” e se concentraria mais no stealth, como nos primeiros títulos, com uma história totalmente linear, isso não se concretizou completamente, pois o sistema de nível continua existindo no Mirage. As missões de investigação, semelhantes ao que era em Assassin’s Creed de 2007, onde o protagonista busca o alvo que pretende eliminar, retornaram em Mirage. Se Basim não agir furtivamente, um sistema de procurado será acionado. Para neutralizar a notoriedade, o Oculto deverá subornar Arautos ou remover cartazes de procurado que exibam seu rosto, como acontecia em Assassin’s Creed II, Brotherhood, Revelations e Assassin’s Creed III.

O mapa do Mirage é menor que os três últimos jogos lançados. O foco, desta vez, é a zona urbana da Cidade Circular de Bagdá, com um deserto ao redor da cidade, onde algumas ruínas das civilizações da Mesopotâmia, como os Babilônios e os Sumérios, podem ser visitadas pelo jogador. Além disso, é um dos poucos jogos da série Assassin’s Creed, juntamente com Assassin’s Creed III e Rogue, onde não se encontram nenhuma das sete maravilhas do mundo para Basim visitar, como já vimos o Domo da Rocha em Assassin’s Creed de 2007, o Coliseu em Assassin’s Creed: Brotherhood, a Catedral de Notre-Dame em Assassin’s Creed: Unity, o Palácio de Westminster em Assassin’s Creed: Syndicate e as Pirâmides de Gizé em Assassin’s Creed: Origins.

2 – Um Pouco do Enredo (Sem Spoiler):

Assassin’s Creed: Mirage serve como uma ponte entre o Origins, que mostrou o nascimento do Credo dos Assassinos por Bayek no Egito Antigo. (inicialmente conhecidos como a Irmandade dos Ocultos). E o primeiro Assassin’s Creed de 2007, na era de Altair, cujas partes também foram vistas em Assassin’s Creed: Revelations. Personagens importantes no game têm laços familiares com os personagens do primeiro Assassin’s Creed. Ademais, o game é um paralelo ao primeiro Assassin’s Creed lançado em 2007. Enquanto o jogo apresenta o mapa do Iraque e do Irã, com a sede da Irmandade em Alamut, o Assassin’s Creed de 2007 possui o mapa da Síria e de Israel, com a sede da Irmandade em Masyaf. Portanto, não devemos confundir o mapa de Mirage, onde Basim pisou, com o mapa do Assassin’s Creed de 2007, onde Altaïr pisou.

O protagonista Basim já apareceu em Assassin’s Creed: Valhalla, assumindo um papel de um aliado controverso que teve desentendimentos com Eivor. Além disso, Assassin’s Creed: Mirage aprofunda a compreensão sobre os Isus, explorando a relação dos membros da primeira civilização com os humanos.

Veja mais sobre a ordem cronológica aqui.

Conclusão:

Assassin’s Creed: Mirage cativa mais os jogadores que já estão familiarizados com a franquia desde a geração passada. Se você faz parte desse grupo, pode investir sem hesitação, pois é possível que goste do jogo. Além disso, o preço de lançamento está, em média, 380 reais, considerando seu lançamento recente. Se você é um jogador casual, é recomendável aguardar um tempo antes de adquirir o Assassin’s Creed: Mirage. Caso o preço venha a baixar em alguma promoção, aproveite.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *