ASSASSIN’S CREED: SHADOWS

Com o próximo lançamento da franquia Assassin’s Creed, intitulado Assassin’s Creed: Shadows, agendado para 15 de novembro de 2024, trago hoje minhas teorias sobre o jogo.

1 – Oda Nobunaga não é o Boss Final

Muitos sugerem que Oda Nobunaga, o unificador do Japão, seja o Grão-Mestre da Ordem dos Templários, antagonizando a ninja Naoe Fujibayashi e o samurai Yasuke. No entanto, isso pode não ser verdade. Assim como a Irmandade dos Assassinos chegou ao Japão através de Kotetsu, um discípulo da mentora chinesa Shao Jun, a Ordem dos Templários chegou ao Japão através dos navegadores portugueses durante as Grandes Navegações ou dos mongóis. Portanto, um interventor português, provavelmente o navegador Luís Fróis, que será o Grão-Mestre dos Templários em Shadows e o arqui-inimigo de Naoe e Yasuke. Nobunaga será apenas um fantoche da ordem.

2 – Revelação sobre o Passado de Shadows: Genghis Khan era um Membro dos Anciãos

Em Assassin’s Creed: Revelations, quando jogamos com Altaïr conhecemos Genghis Khan, que no jogo se mostra fascinado por colecionar artefatos Isu e capturar templos sísmicos. Essa atitude lembra muito os Templários, mas não podemos afirmar que Khan era um Templário, já que seu exército mongol também entrou em guerra com os Cavaleiros Templários, além dos Assassinos de Masyaf, é claro. Conforme revelado em Assassin’s Creed: Valhalla, a Ordem dos Templários, fundada pelo rei inglês Alfredo, o Grande, inicialmente atuava somente na Europa e no Oriente Médio.

A principal diferença entre a Ordem dos Templários e a Ordem dos Anciãos está na crença: os Anciãos eram politeístas que queriam reviver os Isu, enquanto os Templários eram monoteístas que queriam apenas apaziguar o mundo. Portanto, é bem provável que Genghis Khan tenha sido um membro da Ordem dos Anciãos. Embora Assassin’s Creed: Shadows se passe bem depois do Império Mongol (para se aprofundar nessa época, jogue Ghost of Tsushima), provavelmente fechará esse furo de roteiro.

3 – DLC sobre Mitologia e Crossover entre Shao Jun e Naoe Fujibayashi

A Ubisoft tem trazido duas DLCs básicas para a campanha do jogo pós-lançamento: uma DLC focada na história real (como “Os Ocultos” no Origins, “O Legado da Primeira Lâmina” no Odyssey e “O Cerco de Paris” em Valhalla) e outra focada na mitologia do país onde o jogo se passa (como “A Maldição dos Faraós” no Origins, “O Destino de Atlântida” no Odyssey e “O Alvorecer do Ragnarök” em Valhalla). Em um episódio semelhante ao Crossover Stories que aconteceu recentemente entre Assassin’s Creed: Odyssey e Assassin’s Creed: Valhalla, onde Kassandra e Eivor se encontraram na Escócia, a DLC onde Shao Jun aparecerá terá seu foco na mitologia do Japão.

A lógica para essa teoria é que tanto Assassin’s Creed: Shadows quanto Assassin’s Creed Chronicles: China ocorrem na mesma segunda metade do século XVI. Embora Shadows ocorra alguns anos depois de Chronicles: China, é provável que Shao e Naoe tenham sido contemporâneas. Portanto, se Shao Jun aparecer em Shadows para ajudar a kunoichi, é provável que ela reapareça na franquia com uma idade avançada, da mesma forma que Ezio apareceu para ela em Assassin’s Creed: Embers.

4 – DLC que Ampliará a Guerra Assassino-Templária, com História Real de Fundo

A outra DLC acontecerá em Tanegashima, um arquipélago do Japão que durante um breve período de tempo, foi colônia de Portugal. Diferente da DLC anterior, Yasuke assumirá a tarefa de acabar com os vestígios da Ordem dos Templários no Japão. Assim como os líderes Templários em Shadows, Yasuke também é um estrangeiro. Enquanto a campanha principal de Shadows explorará ao máximo a biografia de Naoe, Yasuke será uma figura de origem misteriosa. Tudo o que sabemos é que ele chegou ao Japão como um escravo de uma caravela portuguesa, foi vendido e treinado para ser o braço direito de Oda Nobunaga. Provavelmente, mais informações pessoais sobre esse polêmico samurai serão reveladas nessa DLC.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *